ESPECIAL: O carro de 6 rodas da Williams que nunca correu

Poucos dias depois de ter vencido o GP de Las Vegas em 17 de outubro de 1981, Alan Jones voou de volta para a Europa para correr com um carro de Fórmula 1 com seis rodas

alan-jones-6-wheel-williams-f-Foto Divulgação

Todos os fãs da Fórmula 1 viram o Tyrrell P34 com quatro pequenas rodas na frente e dois pneus Goodyear na parte de trás. A March também produziu um carro de seis rodas em meados da década de 1970, batizado de 2-4-0, que tinha duas rodas normais na frente e quatro pequenas na parte de trás. Ao contrário do Tyrrell (foto abaixo), a versão da Williams nunca competiu na F1, mas esse não era o pensamento dos técnicos da equipe britânica.

Perto do final da temporada de 1981, ficou claro para a equipe técnica da Williams que algo precisava ser feito para desafiar os potentes carros turbo da Ferrari e Renault (foto abaixo).

“Projetamos o carro de seis rodas porque não conseguimos um motor turbo”, disse Frank Dernie ao Motorsport.com. Trabalhando como consultor, Dernie era o braço direito de Patrick Head, o designer-chefe e diretor técnico da equipe britânica.

“Na época, os motores turbo tinham cerca de 180 cavalos de potência a mais do que o Ford Cosworth DFV normalmente aspirado que estávamos usando”, acrescenta. “Nós realmente nos esforçamos para produzir um carro que tivesse força e resistência suficientes para competir com eles.”

Perto do final da temporada de 1981, ficou claro para a equipe técnica da Williams que algo precisava ser feito para desafiar os potentes carros turbo da Ferrari e Renault (foto abaixo).

“Projetamos o carro de seis rodas porque não conseguimos um motor turbo”, disse Frank Dernie ao Motorsport.com. Trabalhando como consultor, Dernie era o braço direito de Patrick Head, o designer-chefe e diretor técnico da equipe britânica.

“Na época, os motores turbo tinham cerca de 180 cavalos de potência a mais do que o Ford Cosworth DFV normalmente aspirado que estávamos usando”, acrescenta. “Nós realmente nos esforçamos para produzir um carro que tivesse força e resistência suficientes para competir com eles.”

Presos com o DFV, os engenheiros tiveram que encontrar uma solução aerodinâmica para fazer o carro correr mais rápido.

“Nós olhamos para as rodas e descobrimos que os pneus traseiros estavam produzindo uma enorme quantidade de resistência”, continuou Dernie. “Criamos a ideia de que se pudéssemos produzir um carro com quatro rodas dianteiras na parte de trás, uma atrás da outra, provavelmente estaríamos produzindo muito menos resistência.”

“Fizemos algumas medições e o carro de seis rodas mostrou uma redução substancial. Acho que era equivalente a mais de 160 cavalos de potência em ganho. Então Patrick [Head] trabalhou na caixa de câmbio e suspensões traseiras e eu trabalhei na aerodinâmica.”

williams-fw08d-a-six-roues-1The 6-wheel Williams FW08D / Photo by: Camille De Bastiani

O pequeno departamento técnico da Williams contava com dois engenheiros jovens e talentosos que estavam em processo de aprendizado.

Dernie diz: “Só Patrick e eu tínhamos alguma experiência em engenharia de carros de corrida. Tínhamos um engenheiro relativamente jovem chamado Neil Oatley, que ainda estava na fase de aprendizado. No túnel de vento era basicamente um modelista e eu. Eu também estava atuando como técnico de túnel de vento. Nós tivemos um assistente chamado Ross Brawn, que me ajudou.”

“Construímos a caixa de câmbio e rodamos porque Patrick estava muito preocupado que com quatro rodas acionadas pudéssemos acabar com um carro que derrapasse mais com os pneus dianteiros na baixa velocidade. Então, ele queria fazer alguns testes de circuito.”

Dernie trabalhou na aerodinâmica do carro e maximizou o uso dos sidepods para gerar downforce.

“A carroceria em que eu estava trabalhando no túnel do vento, que teria sido a versão final se tivéssemos ido em frente, não tinha uma asa traseira”, revela ele. “Conseguimos obter o downforce sem uma asa traseira.”

“A redução de resistência foi fenomenal. Simulações realmente grosseiras na época nos obrigariam a ultrapassar o limite do circuito de Paul Ricard a mais de 320 km/h.”

Um carro de teste foi produzido: o Williams FW07D, baseado no sucesso do FW07C. A nova extremidade traseira com quatro rodas (e dois diferenciais) foi aparafusada à traseira do DFV.

Jones voou de volta de sua última vitória na F1 em Vegas para o Reino Unido para testar o novo carro em Donington. Depois disso, outro carro foi construído, o FW08B, o carro que deveria competir na temporada de 1982.

“Alan Jones, Jonathan Palmer, Keke Rosberg e Jacques Laffite dirigiram as duas versões de seis rodas”, continua Dernie. “Laffite guiou mais, especialmente em Croix-en-Ternois, uma pista curta e sinuosa localizada no norte da França.”

“Nossa grande preocupação era termos uma subida de potência massiva nas curvas lentas. Quando Jacques chegou aos boxes pela primeira vez, queríamos falar sobre o manuseio e ele simplesmente esqueceu que o carro tinha seis rodas! Ele amou.”

f1-italian-gp-1981-frank-williams-frank-dernie-and-patrick-headFrank Williams and his technical team / Photo by: LAT Images

A FIA ouviu falar desses carros estranhos e decidiu fazer uma alteração no livro de regras da F1 para proibir carros com mais de quatro rodas. Além disso, a FIA considerou que a Williams estava ilegal porque era com tração nas quatro rodas, o que já havia sido proibido.

“Patrick ficou furioso quando o carro foi banido”, disse Dernie. “Na realidade, todos teriam feito isso o mais rápido que pudessem, então, de certa forma, foi bom para a F1 que ela fosse banida”.

O FW08B foi recentemente restaurado pela Williams, e pôde ser visto em ação durante eventos especiais com Felipe Massa, Martin Brundle e Jenson Button.

“O carro ainda está em condições de funcionamento, o que é um feito incrível”, conclui Dernie. “Construímos apenas uma caixa de câmbio e apenas um conjunto de suspensão completa. Nós só tínhamos um pequeno número de peças internas para a caixa de câmbio. Foi isso.”

“Estávamos prestes a fazer mais algumas peças quando o carro de seis rodas foi banido na F1. Esse foi o fim da estrada para esse projeto.”

f1-williams-40th-anniversary-2017-frank-dernie-and-felipe-massa-williamsFrank Dernie and Felipe Massa, Williams / Photo by: Zak Mauger / LAT Images

Por: René Fagnan

Disponível em: br.motorsport.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s